O Bionade Cola, será vendido também em supermercados comuns da Alemanha.

Apague da memória a imagem da feirinha de hortaliças do bairro. Se você acha que produto orgânico se resume a tomate sem agrotóxico, está bem desatualizado.

Na BioFach Nuremberg, a maior feira de produtos orgânicos do mundo, o que mais se vê são artigos com uma improvável –  às vezes curiosa, mas sempre real – versão orgânica.

Todos os anos, o evento reúne na cidade alemã homônima milhares de empresas que, em sua maioria, apresentam produtos beneficiados, industrializados e com marcas próprias.

Tem de tudo: roupas, calçados, alimentos, sucos em caixinha, cosméticos para beleza e dermatológicos, roupinhas para crianças, velas, lápis de cor, móveis…

[sws_related_postleft showpost="6"] [/sws_related_postleft] Tudo de origem conhecida e devidamente certificado para garantir que nenhum de seus ingredientes ou matérias-primas tiveram qualquer contato com agrotóxicos.

É um setor que não para de crescer e que movimenta, todos os anos, dezenas de bilhões de dólares. Só o segmento global de alimentos orgânicos totalizou US$ 63 bilhões em 2011, segundo dados dos organizadores da feira.

No Brasil, os produtos orgânicos movimentaram aproximadamente US$ 550 milhões em 2011, segundo a associação brasileira dos supermercados, a Abras, e já conta com grandes empresas que exportam seus produtos com marcas próprias – a mais conhecida delas é a fabricante de açúcar orgânico Native.

Mas o Brasil não tem um produto ao qual os alemães estão acostumados: o refrigerante orgânico. Nesta BioFach, uma empresa do país anfitrião está lançando uma versão ainda mais curiosa da bebida: uma variação da Coca-Cola.

Bionade, maior fabricante alemã de refrigerantes orgânicos – sim, existem ao menos mais duas no país - já vende seus produtos não só nos varejistas especializados em orgânicos, mas também nos mercados comuns.

O sabor “Cola” da Bionade lembra mais as balinhas de Coca-Cola vendidas no Brasil.

A bebida tem menos gás e não é tão açucarada, mas ainda assim é boa e refrescante. O vendedor fez questão de esclarecer que o produto deles não tem a “cola” de verdade – planta da qual se extrai o insumo que originalmente dava o sabor dos refrigerantes com esse nome e que já foi substituído por uma essência artificial pela maior parte das empresas.

O Bionade Cola tem ingredientes que remetem ao sabor da Coca-Cola: canela, cravo, gengibre e baunilha. Um dos aspectos mais interessantes dos refrigerantes da marca alemã é que o gás das bebidas é obtido também por um processo natural de fermentação, semelhante ao adotado na fabricação da cerveja.

No caso da Bionade, o malte é fermentado e ao invés de transformar-se em álcool, vira outro tipo de ácido, que produz as borbulhas do refrigerante.

Além do novo sabor, a empresa já comercializa refrigerantes orgânicos nos sabores laranja, frutas silvestres, ervas e lichia.

O Brasil na feira

Empresários e visitantes que participam da BioFach Nuremberg todos os anos notaram um certo encolhimento da feira. O número total de expositores diminuiu, de 2.420 no ano passado para 2.396 em 2013, basicamente devido ao menor número de expositores alemães (682 este ano, exatos 50 a menos que em 2012).

Paralelamente, o número de expositores internacionais aumentou de 1.688 para 1.714. Ainda assim, a maior delegação continua sendo a da Alemanha, seguida da Itália, França, Espanha e Holanda.

[sws_related_postleft showpost="2"] [/sws_related_postleft] O Brasil está presente com o projeto Organics Brasil, criado pelo Instituto de Promoção do Desenvolvimento (IPD) e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações (Apex-Brasil) para promover os produtos orgânicos brasileiros no exterior.

Criado em 2005, o Organics Brasilalcançou naquele ano exportações de US$ 9,5 milhões. Em 2012, as 76 participantes exportaram US$129,5 milhões, 48% a mais que no ano anterior. Para Nuremberg, o projeto levou dez empresas.

Das empresas expositoras, três são do setor de cosméticos – Surya, Ikove e a fabricante de insumos para cosméticos, Beraca. Além delas, estão presentes também a fabricante de açúcar orgânico Native, o produtor de chá-mate Triunfo, a MN Própolis, a marca de roupas Natural Cotton Color, a Jalles Machado, que também produz açúcar orgânico, a Nutribotânica, fornecedora de suco concentrado de acerola e a certificadora brasileira IBD.

A feira conta com diferentes espaços. Da BioFach faz parte também a Vivaness, voltada exclusivamente ao setor de cosméticos. Em parelelo, são realizados o Congresso BioFach e o Forum Vivaness, dos quais partipam empresários, pesquisadores e membros de governos e órgãos multilaterais.

No centro de exposições de Nuremberg os visitantes – em sua maioria, empresas do setor – podem provar e degustar diversos produtos, como os queijos da área especial voltada ao produto, além de vinhos, peixes e (muitos) chocolates. Tudo, claro, orgânico.

 

[sws_related_post]